Posts com a seguinte categoria: ‘ Marketing

14 de Fevereiro – Valentine’s Day

Taí mais uma data que o comércio nacional está adotando como mundial/internacional para estimular as vendas entre os “propensos a gastar”.

Valentine's Day ou simplesmente, Novo Dia dos Namorados

Desde (aproximadamente) 1950 o Brasil comemora o Dia dos Namorados no dia 12 de Junho… antes disso a data era inexistente no Brasil e um dos principais responsáveis pelo início da comemoração dela no país foi o publicitário João Dória (sim, o pai do atual patrão de “O Aprendiz”). Tudo porque as lojas Clipper (criada em 1941 nos moldes dos grandes magazines e de propriedade de parte dos donos das lojas Garbo) queria uma campanha que alavancasse as vendas do setor no meio do ano. Aproveitando o fato de que em 13 de Junho é comemorado o dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro, João Doria “estipulou” que no dia anterior, 12 de Junho, seria comemorado o nosso Valentines’s Day ou o Dia dos Namorados.

E a campanha não poderia ser melhor… “Não é só de beijos que se prova o amor”. As lojas Clipper não conseguiram aproveitar por muito tempo a campanha criada e assim como outros grandes magazines da época, fechou as portas, mas sua invenção beneficiou todos os demais comerciantes no Brasil, fazendo com que o dia dos Namorados se tornasse o 3º feriado comercial mais lucrativo no Brasil, perdendo apenas para o Natal e o dia da Mães (esse último, também criação do Dória).

Daí pergunto… se temos o dia 12 de Junho como o 3º feriado comercial mais lucrativo no país, por que precisamos comemorar também o Valentine’s Day? A questão é que não precisamos, mas vai tentar convencer seu(ua) namorado(a) de que ele(a) não precisa ganhar mais chocolates e flores nesse dia? ;)

Valentine's Day - Giuliana Flores

Valentine's Day - Flores Online

O comércio já fez sua parte trazendo o Valentine’s Day com tudo para o Brasil e com isso criando mais uma necessidade consumista na cabeça de todAs. Mas diferentemente do que muitos pensam, esse não é um feriado criado nos EUA, eles com certeza são os que mais incentivam o comércio e troca de presentes nesse dia, mas originalmente o feriado é europeu. A data foi escolhida em homenagem a São Valentim e como não poderia ser diferente, o Valentine’s Day se originou a partir de uma história de amor.

Entre todas as formas de comemorações no mundo, de longe, a mais curiosa é o Dia dos Namorados no Japão, onde se comemoram em 2 datas… as mulheres dão presentes em 14/02 e os homens em 14/03, mas a curiosidade reside na questão do valor, onde os homens precisam retribuir com um presente de valor superior. Dar um presente de valor igual ou inferior ao recebido da mulher é considerado ofensa e é praticamente o mesmo que cortar relações… (consultei a esposa do amigo @wdoi que é japonesa e confirmou o fato). Coitados de nós, homens brasileiros, se essa prática fosse adotada por aqui… ;)

Bom, apesar de não achar bacana tantas datas consumistas, não sou eu que vou iniciar uma revolução contra elas. Dentro de algumas horas, a patroa deverá receber o seu presente (como sei que ela não vai ler isso aqui, não tem problema comentar a “surpresa”)… mas como retribuição, ela bem que poderia comprar esse gloss da Heineken… heim? ;)

Crocs, um caso de amor e ÓDIO…

Sempre achei Crocs um calçado (ok… não é calçado, na verdade nem sei o que é, mas pra facilitar o entendimento, fica calçado mesmo) de extremo mal gosto e nunca entendi muito bem como isso virou moda no mundo todo.

Esse é um "Crocs", bonito né?

Crocs é mais um daqueles produtos que começam a ser fabricados com um objetivo pré-definido, mas que devido a N fatores esses objetivos fogem ao controle e quando menos se espera, o produto cai nas graças (ou em desgraça) da população mundial. Excelente para o criador, ótimo para o investidor, mas péssimo para os “bons costumes”.

O negócio não é bonito, #Fato, então por que diabos vende que nem água? Assim, como as Havaianas “que não soltam as tiras”, a tal da Crocs também tem algumas “verdades” a seu favor… segundo a fabricante o custo de manutenção é baixo (oi?!?), seu solado é criado de forma a proporcionar uma melhor circulção de sangue nos pés, ergonomicamente certificada (segundo eles, uma palavra grande para “Ahhh!”) e o melhor de todos em minha opinião, resistência a odores, ou seja, NÃO DÁ CHULÉ!

Quando pergunto a amigos que usam, o único argumento que faz sentido é: “São confortáveis!”. Pode ser, mas são feias e não vale o esforço… Olhando de fora do quadrado compartilho da mesma opinião que a Ana Freitas do Olhômetro, quando ela diz que “elas fazem você parecer alguém que tá de brincadeira”… ;)

No primeiro parágrafo comentei que não entendia muito bem como isso virou moda, mas o fato é que ao saber que gente do calibre de Al Pacino, Jack Nicholson, Heidi Klum, Mario Lemieux – o Hockey nunca mais será o mesmo depois disso -, Ana Maria Braga e até o Jô usam, dá pra entender um pouco como isso virou moda, principalmente após a Exame informar a porcentagem de influenciáveis consumidores que as celebridades atingem. Claro que o depto. de Marketing fez a sua parte também.

 

Só que tem algo que o marketing não fala a não ser que você questione após descobrir. E hoje ao retuitar um link do @errosdemkt, onde se falavam dos problemas com esse tipo de calçado em uma matéria do O Globo, vi que além de feias as Crocs eram também perigosas, principalmente para as crianças. Me espantei mais ainda ao verificar a data da matéria (04/2008), ou seja tais problemas não são de agora e o mais engraçado é que visitando os sites da marca pelo mundo, aparentemente percebi que houve um redesign no produto apenas em outros países, no Brasil o modelo clássico (causador dos fatos) continua com o mesmo.

Depois do retuíte, alguns amigos também postaram comentários, entre eles o Rogério Sato (@rsato) que mandou esse vídeo de 2009 com uma matéria sobre o assunto…

 

Procurei por outros vídeos e achei muitos, mas o que achei mais intrigante é esse em que uma mulher observa alguns técnicos consertando uma escada rolante e pede para eles lhe mostrarem o que aconteceu com o pobre sapato e ao ter seu pedido atendido, lança um “Weauuuuu!”…

 

Muitas pessoas no mundo adoram, usam e recomendam Crocs, afinal se não fosse assim ela não seria um fenômeno de vendas, mas está longe de ser uma unanimidade. Sites como o I hate crocs fazem tanto sucesso como a própria marca em si. Há até uma loja de camisetas, bottons e acessórios com a estampa “I Hate Crocs”.

Steve Tuttle da Newsweek escreveu o artigo Make. It. Stop. onde ele praticamente implora para a américa parar de usar Crocs…isso foi antes do verão de 2008. Infelizmente ele não conseguiu…

Devido a todas essas circunstâncias, eu apenas torço para que a Crocs não invada os escritórios pelo mundo, como sugere esse excelente vídeo-paródia.

E tudo isso porque os criadores só queriam um sapato antiderrapante pra ser usado em barcos… ;)

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.